Notícias

Boletim Goiás Cooperativo

Clipping Nacional

Flash Cooperativo

Circulares

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo/Interior

Podcasts

Releases

Cooperativismo Ilustrado

Vdeos

Central da Marca

Canais de Comunicao

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prmio de Jornalismo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Vdeos sobre tica

Vdeos sobre tica

Novo prdio OCB-GO

Novo prdio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criana

Conhea a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de Histria

Cdigo de conduta tica

Conhea o Cdigo de conduta tica

Portal de Negcios

Conhea o Portal de Negcios

Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Notícias

13/09/2013 - Despesas de planos com prestadores de servios sobem 15,4%

13/09/2013
Os custos médico-hospitalares aumentaram 15,4% em 2012. O resultado, medido pelo índice de Variação de Custos Médico-Hospitalares do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (VCMH/Iess), manteve-se acima da variação registrada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mesmo período, que foi de 5,4%. O VCMH/Iess mede a variação da despesa per capita que as operadoras têm com consultas, exames, terapias e internações de beneficiários em planos individuais de saúde. Os dados referentes a dezembro de 2012 são os mais recentes disponíveis. Isso porque o índice considera as despesas pagas pelos procedimentos realizados no período de análise e foram quitadas até três meses depois.

Segundo o superintendente-executivo do Iess, Luiz Augusto Carneiro, historicamente, o VCMH/Iess é sempre superior à variação do IPCA, tanto no Brasil quanto em países como EUA ou nos membros da União Europeia. "O que chama atenção, neste momento, é a diferença de 10 pontos percentuais, maior do que a média histórica", observa. "Além disso, apesar de se manter em um patamar bastante elevado, o VCMH registrou um pequeno recuo em relação ao resultado de junho de 2012, quando o índice apontava alta de 16,4%", completa Carneiro. O cálculo do VCMH/Iess é feito para um conjunto de planos individuais de operadoras que representam cerca de um quarto do mercado. Resulta de uma combinação dos fatores frequência de utilização e preço dos procedimentos.

Dessa forma, se em um determinado período o beneficiário usou mais os serviços e os preços médios aumentam, o custo apresenta uma variação maior do que isoladamente com cada um desses fatores. Além disso, o índice considera uma ponderação por padrão de plano (básico, intermediário, superior e executivo), o que possibilita a mensuração mais exata da variação do custo médico-hospitalar. Evita-se, assim, que se as vendas de um determinado padrão de plano crescer muito mais do que a de outro, isso resulte no cálculo agregado em VCMH maior ou menor do que o real, o que subestimaria ou superestimaria o desempenho do indicador. Essa metodologia é reconhecida internacionalmente.

O VCMH/Iess analisa também o aumento dos custos de quatro grandes grupos de procedimentos: consulta, exames, terapia e internação. O último grupo é responsável por 62% dos custos do setor. Exames, consultas e terapias respondem por 16%, 9% e 5%, respectivamente. Além disso, o VCMH/Iess apontou um crescimento de 3,1% no total de beneficiários com idade entre 0 e 18 anos e de 2,6% no total de beneficiários com 59 anos ou mais. Exatamente os grupos que mais utilizam serviços de saúde, comparado ao restante da população. No geral, os beneficiários de planos de saúde acompanhados pelo VCMH/Iess são mais idosos do que a população como um todo. A amostra indica que 23,9% dos beneficiários têm mais de 59 anos, enquanto na população brasileira esse percentual é de 10,8%. (Fonte: Informativo Seg Notícias)
Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: