Notícias

Boletim Goiás Cooperativo

Clipping Nacional

Flash Cooperativo

Circulares

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo/Interior

Podcasts

Releases

Cooperativismo Ilustrado

Vdeos

Central da Marca

Canais de Comunicao

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prmio de Jornalismo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Vdeos sobre tica

Vdeos sobre tica

Novo prdio OCB-GO

Novo prdio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criana

Conhea a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de Histria

Cdigo de conduta tica

Conhea o Cdigo de conduta tica

Portal de Negcios

Conhea o Portal de Negcios

Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Notícias

23/07/2013 - ANS autoriza reajuste de 9,04% para planos individuais e familiares

23/07/2013
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fixou em 9,04% o índice máximo para o reajuste dos planos de saúde médico-hospitalares, individuais ou familiares, contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98. O índice, validado pelo Ministério da Fazenda e publicado na última segunda-feira (22) no Diário Oficial da União, é válido entre maio de 2013 e abril de 2014 para cerca de 8,4 milhões de beneficiários, ou 17,6% dos consumidores de planos no país.

De acordo com a ANS, a metodologia adotada para a definição do índice máximo, a mesma seguida desde 2001, considera a média dos percentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos planos coletivos com mais de 30 beneficiários. Em 2013, foi considerado também o impacto de fatores externos, como a utilização dos 60 novos procedimentos incluídos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde ao longo de 2012, entre outros.

Para o presidente da Unimed Cerrado, José Abel Ximenes, embora o índice autorizado supere os dos últimos anos, o percentual ainda está aquém das necessidades das operadoras. “Infelizmente, é insuficiente para cobrir as defasagens”, disse. Segundo Ximenes, é preciso buscar alternativas para amenizar as dificuldades enfrentadas pelas operadoras de planos de saúde. “É preciso controlar a sinistralidade e reduzir a judicialização da saúde suplementar”, diz Ximenes, exemplificando duas medidas que podem contribuir para a redução dos custos das operadoras. (Fonte: Assessoria de Comunicação da Unimed Cerrado)

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: