Notícias

Aumenta nmero de cooperativas em livre adeso, aponta BC

03/06/2015

Não são apenas os números contábeis e financeiros que mostram o crescimento das cooperativas em relação aos bancos. As empresas existentes hoje e que nasceram para atender uma categoria específica de profissional estão se transformando em cooperativas de livre adesão, conforme atesta o chefe do Departamento de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, Adalberto Gomes da Rocha. "As cooperativas de crédito estão em um processo para se transformarem em cooperativas de livre admissão", destacou. Ele explica que a lei para essa transformação é de 2003, mas nos últimos anos é que ganhou mais força. Pesquisa feita na busca de normativos do site do BC revela que a indicação de membros para a direção dessas cooperativas chegou a 212 do início deste ano até agora. Para se ter uma ideia, no mesmo período do ano passado foi de 169 e, há 10 anos, de apenas 32. Vale lembrar que nos comunicados do BC pode haver mais de um nome em um só documento. Até porque cada cooperativa precisa apresentar um conselho fiscal com a indicação de pelo menos seis membros para o BC.

Inicialmente, para que uma cooperativa fosse formada, partia-se de união de participantes de categorias tradicionais, como trabalhadores rurais, da área de saúde ou de bancários, entre outras. Já as cooperativas de livre admissão podem admitir sócios em qualquer categoria. De acordo com Rocha, das 1.139 cooperativas existentes hoje nos registros do BC, cerca de 300 são de livre admissão. "Esse número tem crescido ano a ano. É uma transformação", constatou o técnico.

No geral, o BC avaliou no ano passado a proposta de 9.837 nomes para ocuparem cargos de direção em instituições financeiras privadas ou cooperativas. Precisam passar pelo crivo do BC membros do conselho, do conselho fiscal e diretores. Desse total, apenas 47 foram reprovados em 2014, mas seus nomes ficam resguardados pelo BC. Há atualmente 23 mil dirigentes bancários privados no Brasil, segundo BC. Para avaliar o candidato ao cargo, o órgão fiscalizador se fia principalmente na capacidade técnica e experiência do proponente ao cargo e verifica se ele possui reputação ilibada.

A Unicred Brasil presidida pelo cardiologista Léo Airton Trombka tem seu DNA na área da saúde, mas acabou de receber como associado o Sindicato dos Arquitetos, que se desligou dos engenheiros. O processo é inevitável, de acordo com o executivo, porque quando uma cooperativa formada por participantes de categorias tradicionais se abrem para maridos, esposas, filhos e pais, automaticamente outras categorias de profissionais acabam se incorporando.

Por isso, além de se transformarem em cooperativas de livre admissão, as empresas estão também se unindo através de pontos em comum. Em novembro do ano passado em Florianópolis, durante evento do Banco Central para cooperativas de crédito, lançaram o Fundo Garantidor de Crédito Cooperativo de R$ 250 mil por CPF, mesmo valor dos bancos. Outro ponto que já está unificado para todo o segmento é a fiscalização das contas das cooperativas, que passa agora a ser feita por uma auditoria também cooperativa.

O próximo passo, de acordo com Trombka, é unir as cooperativas em um sistema financeiro único. "Defendo que somos a sexta entidade financeira, com cinco mil agências. Perdemos para o Banco do Brasil. Só que nós somos um sistema financeiro separado. A solução é termos um sistema financeiro cooperativo único", disse o executivo que defendeu a unificação na Convenção das Cooperativas em Manaus, no ano passado. "Poderemos ter ATMs únicas e não só os caixas dos bancos 24 horas", disse.

Fonte: Agência Estado 

Galerias

Cooperativas

Use o campo abaixo para buscar cooperativas. Buscar

Boletins

Cadastre seu email e receba nossos boletins.
Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: