Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Castrolanda é a primeira a comprar e vender energia

07/08/2019

A Cooperativa Agroindustrial Castrolanda é a primeira do país a receber uma autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para atuar como agente comercializador no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). De natureza agropecuária, a cooperativa transformou uma de suas unidades na Engloba Comercializadora de Energia e fez um planejamento arrojado para negociar o insumo, prevendo, inclusive, um escalonamento de resultados líquidos que, em 2021, pode chegar à R$ 15 milhões.

Segundo o gerente de Negócios da Castrolanda, Vinicius Guilherme Daniel Fritsch, a ideia de buscar essa possiblidade surgiu porque, atualmente, as unidades industriais da cooperativa consomem cerca de 30 megawats de energia por mês. “Então, já que compramos energia para as nossas unidades, resolvemos investir em outros 40 MW, destinados à venda”, explica. Atualmente, 25 clientes já têm contrato com a cooperativa.

O gerente destacou, também, que essa autorização permite a venda para outras empresas do mercado (comercializadoras, geradoras ou outros consumidores livres – aquele que consome acima de 3 MW – por exemplo) e no futuro, com a expansão do mercado livre também para os consumidores de baixa tensão (residenciais e pequenos comércios), fornecer energia também aos cooperados.
 
Maiores

A expectativa é de que as operações da Engloba comecem já no mês de setembro. Para isso, a cooperativa que está totalmente preparada para atender aos dispositivos legais do setor pretende utilizar os sistemas de transmissão e distribuição já existentes no mercado. “É bom destacar que nosso trabalho se intensifica nos próximos anos para que, dentro de 36 ou 48 meses, estejamos comercializando pelo menos 1 Gw/mês, tentando, assim, figurar da lista das 25 maiores comercializadoras do Brasil”, revela o gerente.

Fonte: Somos Cooperativismo



Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: