Notícias

Boletim Goiás Cooperativo

Clipping Nacional

Flash Cooperativo

Circulares

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo/Interior

Podcasts

Releases

Cooperativismo Ilustrado

Vdeos

Central da Marca

Canais de Comunicao

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prmio de Jornalismo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Vdeos sobre tica

Vdeos sobre tica

Novo prdio OCB-GO

Novo prdio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criana

Conhea a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de Histria

Cdigo de conduta tica

Conhea o Cdigo de conduta tica

Notícias

Cenrio econmico continua preocupante, diz secretria

25/06/2015

Ao prestar contas ontem do 1º quadrimestre de 2015, a secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão, destacou que o cenário econômico continua preocupante. Os dados apresentados pela titular da Sefaz mostram que as despesas do Estado tiveram patamar maior que as receitas, com Goiás gastando no período R$ 100 milhões a mais do que arrecadou. Com isso, a projeção é de que o déficit chegue a R$ 440 milhões ao final do ano.

Entre janeiro e abril, o governo arrecadou R$ 6 bilhões - R$1,4 bilhão a menos do que estava previsto. “Adotamos uma série de medidas com vistas ao aumento de receitas e temos de continuar nesta direção, confiantes de que ela está correta, mas certos de que estamos muito longe de chegarmos ao final do ano em situação tranquila do ponto de vista financeiro e orçamentário”, comentou Ana Carla.

A secretária citou o programa de combate à sonegação de imposto (nota fiscal das compras) como uma ação que tem dado resultados no aumento das receitas, além de fomentar a consciência fiscal do consumidor. O Estado também contratou uma consultoria na tentativa de aumentar as receitas. É a mesma empresa que está analisando os gastos com pessoal que somaram R$ 3,7 bilhões no período. O valor está acima do limite de alerta, que é de 43,74%, mas abaixo do prudencial - 46,17%.

“Estamos avançando no limite prudencial. Por isso é preciso ter atenção aos gastos com a folha de pagamento para evitar, por exemplo, que tenhamos vedação a novos empréstimos, que é uma da série de penalidades impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)”, pontou a secretária.

A Sefaz afirma que em função das medidas adotadas pelo governo houve redução de 50% dos gastos com comissionados. Segundo Ana Carla, o gasto maior é com os efetivos.

No último quadrimestre de 2014 os gastos com pessoal atingiram 45,98%. Segundo a Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), os porcentuais foram reduzidos desde então.

Empréstimo
De acordo com a Sefaz, o Estado concentra esforços para obter a liberação de empréstimo do governo federal aprovado no ano passado. O montante, de R$ 400 milhões, vai permitir, segundo Ana Carla, que o governo faça novos investimentos e “mantenha a economia aquecida”. “A entrada desse dinheiro vai fazer com que passemos a crise de forma mais amena que os outros Estados. Goiás é um dos poucos da União que apresentou crescimento real de receitas de 0,5%. Para se ter ideia, em São Paulo este mesmo número é 4,5% negativos”, alegou.

Oposição
Durante a prestação de contas, que ocorreu na Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa, os deputados da oposição voltaram a questionar a Sefaz sobre suposto impacto do perdão da dívida de R$ 1,23 bilhão da JBS nas contas do Estado. Ana Carla respondeu que a operação foi legal e respaldada pelo Legislativo. Segundo a secretária, que defendeu a continuidade de medidas de cortes de custeios, a maior fonte de incerteza é a receita.

“Se houver aprofundamento da crise, Goiás vai continuar sentindo. Por isso devemos seguir com a racionalização da máquina pública”, disse. A oposição também criticou os gastos com a folha.
 

Os números do 1º
quadrimestre/2015

Receita -  R$ 6 bilhões 
Despesas -  R$ 4,9 bilhões 
Dívida consolidada - R$ 15,6 bilhões

Fonte: O Popular

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: