Notícias

Cooperativas esto entre os 15 maiores laticnios do pas

03/06/2016
leite-17710192.png

 

A Associação Leite Brasil divulgou, recentemente, a lista com os 15 maiores laticínios brasileiros de 2015. Da relação, figuram seis cooperativas: a união entre Castrolanda, Capal e Frísia, Aurora, CCGL, Confepar, Centroleite e Frimesa. As outras cinco são empresas nacionais: Itambé (joint venture da cooperativa CCPR e Vigor), Laticínios Bela Vista, Embaré, Jussara e Vigor; e as quatro restantes são multinacionais: DPA Brasil, Nestlé, Danone e Lactalis do Brasil.

Segundo o levantamento, o volume total de leite captado por estes grandes players, ao longo de 2015, totalizou 9,86 bilhões de litros, um incremento de 1,2% em relação ao ano anterior. Tímido, o crescimento foi menor que o observado em 2014, quando o volume captado cresceu 8,9%, em relação a 2013.

Cenário

Segundo o analista técnico e econômico da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Pedro Silveira, 2015 foi um dos anos mais difíceis da última década para o setor lácteo do país. “Tivemos, preços internacionais mais baixos, atingindo níveis de baixa históricos, e pelo lado do mercado interno, em função da crise econômica, houve uma retração no consumo”, menciona Silveira, lembrando que a indústria brasileira de lácteos é muito dependente do mercado doméstico, em razão do baixo volume de exportações.
Silveira também cita, além destes fatores, problemas climáticos em algumas regiões produtoras, agravados pelo aumento do custo dos principais insumos, como o milho, por exemplo. “Os problemas no campo e o cenário interno fizeram com que a produção nacional tivesse um desempenho muito fraco comparado aos anteriores, culminando com decréscimo na captação e que, consequentemente, vai refletir em uma queda de produção em 2016”, ressalta.
Na opinião do analista, o cenário negativo do ano passado já está se refletindo nesse primeiro semestre de 2016, com piora na relação de troca e com o desestímulo na produção de leite de forma generalizada. “Se, por um lado, a escassez de matéria-prima resultou na correção de preços ao produtor no campo, quando analisamos o consumo, alguns produtos ainda estão com os preços nos patamares de 2013”, observa.

Embora os preços do leite estejam maiores, comenta o analista, o aumento do custo de produção não tem permitido ao produtor alcançar a renda necessária para aumentar a produtividade. “A indústria, por sua vez, tem que pagar mais pelo produto, em razão da escassez, mas não consegue repassar esses custos ao mercado, então, você tem uma perda de renda em toda a cadeia produtiva”, avalia.

Processamento

A capacidade instalada de processamento de leite destes quinze laticínios foi estimada em 15,88 bilhões de litros ao ano, ou seja, as empresas trabalharam, em média, com 62,1% da capacidade total (ociosidade de 37,9%). Em 2014, a ociosidade média foi de 33,8%.

A diminuição do ritmo de crescimento em comparação com os anos anteriores, principalmente em relação à pesquisa anterior, tem seu reflexo no aumento da capacidade ociosa dos laticínios da pesquisa. “Sabemos que capacidade ociosa na indústria reflete diretamente em aumento de custos”, avalia Silveira.

A Nestlé se manteve na primeira colocação, com 1,77 bilhão de litros captados. Na comparação com o ano anterior o volume captado caiu 11,6%. No caso, em 2014, o volume atribuído à Nestlé correspondia ao total captado pela joint venture com a Fonterra (DPA Nestlé). No segundo lugar, a francesa Lactalis do Brasil estreia entre as maiores com 1,59 bilhão de litros captados em 2015. A empresa iniciou as operações no Brasil no final de 2013 e, ocupa a posição que era da BRF em 2014. 

Em terceiro e quarto lugares aparecem a CCPR / Itambé e o Laticínio Bela Vista, que mantiveram as posições. O quinto colocado, foi o laticínio resultante da junção das cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal, cuja captação foi de 870,83 milhões de litros em 2015, um crescimento de 13,7% em relação ao ano anterior.

Produção

No ano passado, o Brasil captou 24 bilhões de litros de leite, de acordo com a Pesquisa Trimestral do Leite do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que inclui o volume captado e industrializado pelos estabelecimentos com inspeção municipal, estadual e/ou federal. Em 2015, a Nestlé se manteve na primeira posição do ranking, com 1,77 bilhão de litros captados, seguida pela Lactalis do Brasil, com 1,59 bilhão de litros. Vale lembrar que essa companhia iniciou as operações no país no fim de 2013.

Fonte: Brasil Cooperativo e Sociedade Nacional da Agricultura

Galerias

Cooperativas

Use o campo abaixo para buscar cooperativas. Buscar

Boletins

Cadastre seu email e receba nossos boletins.
Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: