Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Cooperativas gaúchas vão exportar lácteos para a China

07/08/2019

A China habilitou 24 estabelecimentos brasileiros para exportação de produtos lácteos, com destaque para as cooperativas CCGL (Cruz Alta/RS), Dália Alimentos (Encantado/RS) e Cosulati (Capão do Leão/RS). A certificação estava acordada com o país asiático desde 2007, mas não havia nenhuma planta brasileira habilitada a exportar. Os chineses são os maiores importadores de produtos lácteos do mundo. Entre os produtos que poderão ser vendidos estão leite em pó, queijos e leite condensado.

Com a abertura do mercado chinês, a Viva Lácteos – Associação Brasileira de Laticínios estima exportar US$ 4,5 milhões em produtos lácteos. Em 2018, os chineses importaram, por exemplo, 108 mil toneladas em queijos, com um crescimento médio anual de 13% nos últimos cinco anos. O setor lácteo brasileiro exportou, no ano passado, para mais de 50 destinos.

Segundo o General Administration of Customs (China), a lista dos estabelecimentos habilitados inclui seis plantas industriais no Rio Grande do Sul. Entre elas, a Cooperativa Central Gaúcha Ltda (CCGL) está habilitada a exportar leite em pó e creme de leite, enquanto a Cooperativa Dália Alimentos e a Cosulati estão credenciadas a exportar leite em pó.

A Cooperativa Dália Alimentos possui um Complexo Lácteo em Palmas, no município de Arroio do Meio, às margens da ERS-130. De acordo com o presidente executivo da Cooperativa, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas, é preciso que o país se apresente de forma competitiva em relação ao mercado internacional e isso significa dispor de um produto de qualidade e com custo compatível.

“A indústria e os produtores, ao longo do tempo, vêm trabalhando para a redução dos custos de produção, mas o governo também precisa atuar, especialmente em relação à redução da carga tributária, tanto sobre os insumos quanto sobre o produto final, além de introduzir soluções para os problemas de infraestrutura”.

“Independente de tudo, a abertura do mercado chinês para os produtos lácteos brasileiros é a melhor notícia dos últimos anos e a Cooperativa Dália Alimentos está apta e preparada para essa oportunidade”, afirma Freitas. Para o presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Antônio Piccinini, a notícia foi recebida com entusiasmo e, ao mesmo tempo, surpresa.

“Possuímos uma planta de lácteos moderna e com habilitação para vários países. Contudo, precisamos entender que se trata apenas de uma possibilidade e que longas etapas deverão ocorrer até que, de fato, a exportação do leite em pó venha a ocorrer. Certamente serão realizadas missões chinesas para visitação à indústria. A notícia é recente, mas acreditamos ser uma oportunidade para a abertura de novos mercados. Como produtores de leite e como cooperativa, estamos felizes. Mas trata-se de um longo caminho a percorrer”, complementa Piccinini.

Fonte: Somos Cooperativismo (com informações do Mapa e Assessoria de Imprensa Dália Alimentos)

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: