Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Dia C Goiás: Rio Meia Ponte recebe nova ecobarreira

06/06/2022
meia-ponte-barreira-811919.jpeg


Na véspera do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado neste domingo, 5 de junho, o Sistema OCB/GO instalou a segunda ecobarreira no Rio Meia Ponte, como parte de uma ação do Dia de Cooperar (Dia C Goiás 2022). A instalação foi feita na altura da Ponte do Jacó, na divisa entre Goiânia, Aparecida de Goiânia e Senador Canedo, com o objetivo de conter o lixo flutuante que chega ao manancial. A primeira ecobarreira foi colocada no rio na quarta-feira (1º), na região do bairro Balneário Meia Ponte.

As duas ecobarreiras instaladas no Rio Meia Ponte, no início e no final do perímetro urbano de Goiânia, vão dar uma amostra de como a capital contribui para a poluição do manancial, que tem cerca de 500 quilômetros de extensão e tem grande importância para o abastecimento da Região Metropolitana e para o ecossistema do Estado como um todo. 

Com o impacto esperado, a partir da divulgação dos resultados e imagens dos resíduos que serão contidos pelas barreiras, o Sistema OCB/GO pretende conscientizar a população para o descarte correto do lixo e a necessidade de preservar do Rio Meia Ponte.

A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) é parceira do projeto e será responsável por retirar o montante de resíduos das barreiras, a cada 15 dias, e destiná-lo às cooperativas de reciclagem.

O projeto liderado pelo Sistema é patrocinado pelas cooperativas goianas Sicoob Goiás Central, Sicoob Uni e Unimed Goiânia. O 

Interesse pela comunidade
Representantes do Sicoob Goiás Central fizeram questão de acompanhar a ação do Dia C Goiás, de colocação da segunda ecobarreira no Rio Meia Ponte. Na ocasião, o diretor-superintendente do Sicoob, Ullisses Capistano, destacou a prática do sétimo princípio do cooperativismo com o projeto ambiental. 

"O Rio Meia Ponte é um dos principais rios, senão o principal, da comunidade goianiense. Ele passa por Goiânia e diversos municípios ao redor, onde nossas coopertivas atuam. Então, em nome do princípio do interesse pela comunidade, de hoje e das futuras gerações, é muito importante que o Sicoob participe de ações como essas. Quando nós realizamos ações em prol do meio ambiente, estamos também promovendo o desenvolvimento da economia local, que é onde nós vivemos", destacou Capistano.

O diretor também enfatizou a importâncias da intercooperação. "Cada uma de nossas cooperativas executa seus projetos individualmente, nas suas comunidades e colhem resultados positivos. Mas quando temos um projeto tão grande e com parcerias tão fortes, como da Unimed, OCB/GO e outras cooperativas de crédito, ganhamos força e podemos fazer ações com muito maior impacto, seja social, seja ambiental. Esse modelo de atuar junto com nossas comunidades traz força para o cooperativismo", acrescentou.

A representante de Instituto Sicoob Goiás Tocantins, Herika Soares, que também participou da ação, disse que o convite do Sistema foi muito bem aceito pela Central. "Hoje, trabalhamos muito com educação financeira e cooperativista, mas sentimos muita falta de atuar mais com a parte ambiental, de promover uma qualidade de vida melhor para as comunidades. Por isso, ficamos tocados com o convite", 

Segundo Herika, ações como essa, no Rio Meia Ponte, mostram como o cooperativismo está atento às reais necessidades de suas comunidades. "Entendemos que o ato de cooperar é, sim, tirar o papel de uma balinha do chão, paralisar tudo o que se está fazendo e vir para o lado de um rio, ver como estão as condições. Porque, quando passamos acima das pontes, a gente não vê a realidade. Então, enquanto cooperativas, quando nos colocamos nesse papel, de ir às comunidades ou, nesse caso, até a natureza, vermos o que é real, passamos a entender a dor do outro. E, mesmo como uma formiguinha, é assim que conseguimos fazer a diferença na vida de alguém", concluiu.

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: