Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Futuro e desafios do SNCC foram debatidos no Concred

27/11/2018
concred-1-1287137.jpg


Mais de duas mil pessoas participaram das atividades do 12º Congresso Brasileiro do Cooperativismo de Crédito (Concred), realizado pela Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito (Confebras) e com o apoio do Sistema OCB. O evento que começou na quarta-feira, terminou na sexta (23), e movimentou Florianópolis.

Ontem, o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, foi o moderador do painel Diretrizes Estratégicas do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), realizada pelo coordenador do Conselho Consultivo do Ramo Crédito da OCB, Manfred Dasenbrock, que também preside o Sistema Sicredi, que discorreu, dentre outros assuntos, sobre os desafios do SNCC:

1. Competitividade: Que depende não só do desempenho do cooperativismo de crédito, mas também de uma série de fatores complexos externos e internos ao segmento, como a economia, os concorrentes, a regulação, a tecnologia, entre outros;

2. Legislação e regulação: Que é por si só um fator de competitividade, mas de tal importância e complexidade que merece destaque. Sua superação também depende de muitas variáveis que certamente podem ser influenciadas pelo SNCC, mas não são controladas por ele.

3. Comunicação: Que envolve divulgar os diferenciais do cooperativismo de crédito e usá-los em favor do segmento. Depende do empenho das próprias cooperativas e das instituições que as representam em tornar seus diferenciais mais conhecidos pelos atuais e potenciais associados, além da sociedade e formadores de opinião;

4. Governança e qualificação: Que está relacionado com os próprios esforços dos atores do SNCC (cooperativas, centrais, confederações, bancos, OCB, Sescoop e FGCoop). Considerando que a regulação tem um papel importante nesse contexto, cabe ao segmento implementar as medidas de governança e gestão que atendam aos padrões esperados e desejados de uma instituição financeira cooperativa;

5. Intercooperação: Que é um dos princípios mundiais do cooperativismo e uma das chaves para o sucesso de todo o segmento cooperativista. Intensificar parcerias e negócios entre cooperativas dos diversos ramos é uma prerrogativa do próprio segmento que, ao fazer isso, investe no próprio futuro;

6. Representação sindical: Que está em fortalecer as relações entre as cooperativas de crédito e seus colaboradores, que tanto contribuem para o sucesso do segmento, assunto que está dentro da esfera de ação do SNCC.

O público, considerado o maior da história do Concred, pode acompanhar, ainda, o debate sobre a atuação dos principais sistemas do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) como protagonistas do Mercado Financeiro.

Participaram do painel Henrique Castilhano Vilares (presidente do Sistema Sicoob), João Carlos Spenthof (vice-presidente da SicrediPar), José Maria de Azevedo (presidente do Sistema Unicred), Cledir Assisio Magri (presidente do Sistema Cresol) e Moacir Krambeck (presidente da Central Ailos).


 O FUTURO JÁ CHEGOU

Na sexta-feira (23), na arena Protagonismo e Sinergia, o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, ministrou a palestra O futuro do cooperativismo se constrói agora. Ele discorreu sobre o movimento cooperativista do ontem, do hoje e de amanhã, abordando os grandes marcos históricos que mudaram, em todos os países, o jeito de pensar, planejar, produzir e consumir. Segundo ele, a inovação é um convite diário, feito às empresas.

“Desde a revolução industrial, passando pelo surgimento do cooperativismo há cerca de 200 anos, até o período atual, quando se vive a era da robótica, da automação e da inteligência artificial a palavra que move a humanidade é, sem dúvida, inovação. Não podemos mais continuar fazendo as mesmas coisas do mesmo jeito. O consumidor quer ter a certeza de levar para casa opções que impactam positivamente tanto a sociedade quanto o meio ambiente. Eles não querem mais um produto ou serviço, simplesmente. Querem fazer parte de um ciclo de consumo responsável e ético, especialmente onde todo mundo ganha. E isso é o que o cooperativismo faz”, enfatizou o superintendente.

Fonte: Somos Cooperativismo

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: