Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Mulheres comandam 25 cooperativas em Goiás

09/03/2022
ceq-17115135.jpeg


Vinte e cinco cooperativas em Goiás são presididas por mulheres, o que mostra o empoderamento feminino num ambiente em que, há pouco tempo, praticamente só havia homens no comando. Conquistar maior equidade de gênero no mercado de trabalho é um desafio constante para as sociedades que buscam reparar a grande discrepância que se observa na participação de homens e mulheres, sobretudo nos cargos de gestão. O setor cooperativista goiano está atento a essa causa e tem conseguido importantes avanços nesse sentido, o que pode ser observado no número de mulheres presentes nos Conselhos Fiscal e de Administração, em diretorias e, inclusive, nas presidências.

Conforme levantamento do Sistema OCB/GO, 244 mulheres participam de Conselhos Fiscais de cooperativas em Goiás, representando 20,5% do total dos conselheiros; 217 atuam em Conselhos de Administração e diretorias (15,7% do total); 12 em diretorias contratadas (15,8%) e 25 (9,7%) no cargo de maior nível gerencial, a presidência. Considerando todos esses postos, a participação das mulheres em cargos de gestão em cooperativas goianas é de 16,2%. 

É o caso da professora Ana Cristina Alves dos Santos, que há 11 anos é presidente da Cooperativa de Ensino de Quirinópolis (CEQ). Quando assumiu a gestão, a escola se encontrava em sérias dificuldades e prestes a fechar as portas em definitivo. “Chegamos com nossa experiência em educação, formamos uma boa equipe, toda formada por mulheres, e reerguemos a cooperativa”, comemora.

Ana Cristina afirma que valeu a pena o esforço e acredita que a sua história ajuda a inspirar outras mulheres, mesmo quando se sentem inseguras.  “Hoje, a nossa escola tem 480 alunos. Tinha apenas 70 quando começamos. Agora, somos referência em Quirinópolis, exemplo para que outras mulheres apostem no seu potencial e tornem-se empreendedoras de fato, a partir dos princípios que acreditam”, enfatiza.

Modelo de negócio
Para Ana Cristina, o modelo de negócio cooperativo dá maior impulso às mulheres em busca de protagonismo. “O Sistema OCB/GO é parceiro, nos mostra possibilidades de crescimento, como o Programa Aprimora, que foi de grande valia para o nosso conhecimento, pois nós, que somos pedagogas, não tínhamos a visão tão amadurecida da administração e da contabilidade, como os homens têm.

 Presidente da Bordana, Cooperativa de Bordadeiras, Celma Grace de Oliveira já tinha engajamento como ativista no movimento comunitário e feminista, no Conjunto Caiçara, bairro de Goiânia, antes de constituir a cooperativa. “O cooperativismo me atraiu por ser um modelo democrático e inclusivo. Enfrentei dificuldades, porque não fomos preparadas para sermos dirigentes, gestoras, donas do nosso próprio negócio. Somos desbravadoras nesse mundo dos negócios”, afirma.

As dificuldades, no entanto, não foram limitantes, garante a presidente que hoje é inspiração. “Tenho recebido vários contatos de outras mulheres buscando essa experiência na Bordana, querendo entender o que somos e também criar cooperativas, principalmente nesse segmento do artesanato”, diz.

Para incentivar outras mulheres a empreender e realizar seus sonhos, Celma as aconselha a não desanimarem diante da falta de recursos, de conhecimento técnico e outras dificuldades.  “Mesmo dentro de um negócio cooperativo, que em seu DNA já é mais inclusivo e democrático, as mulheres precisam buscar seus espaços em posições de poder e de decisões.  A desigualdade de gênero é uma realidade na sociedade e no cooperativismo as mulheres também precisam lutar para ocupar seus espaços”, incentiva.  

Desafio
O presidente do Sistema OCB/GO, Luís Alberto Pereira, diz que a participação das mulheres em cargos de gestão e de liderança de cooperativas de Goiás tem avançado, mas ainda é grande o desafio para que o espaço delas seja ainda mais ampliado.  “Estamos desenvolvendo ações importantes para aumentar a participação das mulheres, não só como cooperadas e colaboradoras, mas também nos cargos de gestão. Estamos com o nosso Comitê de Mulheres trabalhando nesse sentido e oferecemos uma série de cursos no SESCOOP/GO com o objetivo de prepará-las para que assumam também esse protagonismo no Sistema OCB/GO”, informa.

O dirigente destaca que, recentemente, o SESCOOP/GO, braço educacional do Sistema OCB/GO, recebeu o Selo Women on Board, iniciativa apoiada pela ONU Mulheres e que reconhece empresas e instituições com pelo menos duas mulheres em seus conselhos administrativos ou consultivos. “Queremos que isso sirva de exemplo e motivação para as mulheres e que as cooperativas continuem investindo na qualificação feminina, para que elas possam assumir postos de governança”, destaca Luís Alberto.



Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: