Notícias

Boletim Goiás Cooperativo

Clipping Nacional

Flash Cooperativo

Circulares

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo

Rádio Goiás Cooperativo/Interior

Podcasts

Releases

Cooperativismo Ilustrado

Vdeos

Central da Marca

Canais de Comunicao

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prmio de Jornalismo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Museu Virtual Gois Cooperativo

Vdeos sobre tica

Vdeos sobre tica

Novo prdio OCB-GO

Novo prdio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criana

Conhea a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de Histria

Cdigo de conduta tica

Conhea o Cdigo de conduta tica

Portal de Negcios

Conhea o Portal de Negcios

Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

1 Prmio de Jornalismo Gois Cooperativo

Notícias

Pesquisadores da UFG mapeiam reas de pastagens no Pas

08/06/2015
cerrado-credito-tnc-1441114.jpg


Já se tornou senso comum dizer que a expansão da fronteira agrícola brasileira não se dará sobre as florestas - mas sobre pastagens degradadas. A dúvida mais imediata que essa afirmação levanta é: qual o tamanho dessa área e o que pode ser considerado degradação? A falta de uma base estatística federal tem suscitado números díspares - de 20 milhões a 50 milhões de hectares, dependendo da fonte -, o que tem prejudicado o debate sobre o desenvolvimento do campo em um cenário de proteção ambiental mais rígida.

Com US$ 545 milhões no bolso - doados pela Fundação Gordon and Betty Moore, dos EUA - e apoio da consultoria Agroicone, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) pretende pôr fim a essa lacuna com um mapeamento inédito das áreas de pastagens em todo o território nacional. A intenção é que ele esteja concluído até outubro de 2016 e seja então disponilizado em um portal sobre pastagens e pecuária, já em funcionamento desde o ano passado.

"O portal servirá como um grande "data gateway" sobre pastagens e pecuária no País", diz Laerte Guimarães Ferreira, coordenador do Lapig - o Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento vinculado à universidade. Para tanto, mais de 20 pesquisadores do Lapig estão rodando o Brasil para "pisar em pasto". Já foram visitadas áreas no Pará e Tocantins e expedições percorrem nesta semana uma rota de Mato Grosso ao Acre.

Estima-se que a área total de pastagens no Brasil alcance 168 milhões de hectares, incluindo as produtivas e degradadas. O problema, diz Ferreira, está na última categoria: não há uma metodologia que defina o que é degradação ou os diferentes graus em que ela pode ocorrer.

Segundo ele, trata-se ainda de um conceito muito subjetivo e, portanto, difícil de ser capturado e mapeado através de uma base operacional de imagens remotas. "Ninguém tem essa localização e não há metodologias para monitorar as pastagens a partir de imagens de satélite", explica Ferreira.

Um dos conceitos de degradação é o agronômico - quando a área é assolada por outras plantas que competem com o pasto e prejudicam a alimentação do animal. Outra é a degradação biológica, referindo-se às deficiências do solo. E degradações são também influenciadas dependendo da localização geográfica. "Por isso, para falar sobre degradação precisamos antes definir uma base sobre a qual as pastagens podem ser identificadas segundo um certo grau de potencial produtivo", diz o pesquisador.

Além do mapeamento, os pesquisadores do Lapig querem responder a duas perguntas: qual a tendência dos pastos brasileiros e quais serviços ecossistêmicos eles podem oferecer. A literatura internacional já comprovou que um pasto bem manejado sequestra carbono (o que é bom para minimizar a mudança em curso no clima), transfere mais água para a atmosfera (necessária para a recomposição das chuvas) e também é mais lucrativo para os próprios pecuaristas.

Fontes: Valor Econômico (texto), TNC (foto)

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: