Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB-GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Notícias

Pilares do Cooperativismo

30/09/2019

Celso Figueira 

“Nos últimos oito anos, o número de pessoas que se uniram ao movimento cresceu 62%, hoje, são mais de 14,6 milhões de cooperados, cerca de 425 mil empregos gerados pelas quase sete mil cooperativas.”
O cooperativismo tal qual conhecemos hoje surgiu em 21 de dezembro de 1844 no bairro de Rochdale, em Manchester (Inglaterra). Os 28 pioneiros procuravam, na época, uma alternativa econômica para atuarem no mercado de uma forma mais justa e que proporcionasse qualidade de vida para seus integrantes, que trabalhavam até 16h por dia na revolução industrial.

Naquele momento, aquelas pessoas mudavam os padrões econômicos da época e davam origem ao movimento cooperativista que hoje, ao redor do mundo, representa 1,2 bi de cooperados, gera 280 milhões de empregos em suas mais de três milhões de cooperativas espalhadas em 150 países. Além de gerar trabalho, emprego e renda, o modelo de negócios cooperativista tem transformado a realidade de milhares de brasileiros. Nos últimos oito anos, o número de pessoas que se uniram ao movimento cresceu 62%, hoje, são mais de 14,6 milhões de cooperados, cerca de 425 mil empregos gerados pelas quase sete mil cooperativas.

Em Goiás os números também são expressivos. De acordo com dados do censo promovido pela OCB/GO, são 220 cooperativas presentes, que geram mais de 12 mil empregos diretos, atendem cerca de 230 mil cooperados com uma receita anual de R$ 10,2 bilhões.

Estudos apontam fortes indícios de que a presença de cooperativas impulsiona positivamente o IDH das cidades onde estão presentes. Isso faz muito sentido quando analisamos um dos sete princípios do cooperativismo: o interesse pela comunidade, sem visar única e exclusivamente o resultado positivo de suas operações.

Quando uma instituição financeira cooperativa decide ir a uma cidade em que nenhum banco está presente, ela cumpre um papel fundamental que é a busca da inclusão financeira. Ao oferecer gratuitamente cursos e oficinas de educação financeira também reafirma esse compromisso em fazer a diferença na vida das pessoas.

Mais um exemplo, são as ações promovidas em comemoração ao Dia Internacional do Cooperativismo ou Dia C. Em Goiânia, capitaneadas pela OCB-GO, diversas cooperativas se uniram para revitalizar o Jardim Botânico e promover ações de cidadania. Demonstramos na prática a vocação dessas instituições em contribuir com o desenvolvimento local. As cooperativas são sociedades de pessoas enquanto as demais são sociedades de capital e daí decorre todo o nosso diferencial.

CELSO FIGUEIRA é presidente da Central Sicredi Brasil Central

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: