Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB-GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB-GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Notícias

Projeção para inflação em 2015 segue acima da meta e chega a 6,56%. Índice de 2014 fecha em 6,87%

06/01/2015

Os investidores e os analistas do mercado financeiro elevaram de 6,53% para 6,56% a estimativa de inflação para 2015, apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A projeção ultrapassa o teto da meta, que 6,5%. O centro da meta é 4,5%, podendo variar dois pontos percentuais para cima ou para baixo.
A projeção para o crescimento da economia foi reduzida de 0,55% para 0,5%. Os preços administrados, aqueles que sofrem algum tipo de influência do governo, como a tarifa de energia elétrica, tiveram a estimativa de aumento elevada de 7,8% para 7,85%.
Os números estão no relatório Focus divulgado semanalmente pelo Banco Central (BC). No documento, a taxa básica de juros (Selic) esperada permanece inalterada desde a última previsão, na semana passada, com 12,5% ao ano e o câmbio em R$ 2,80, ambas estimadas para o fim do ano.
A estimativa da dívida líquida do setor público passou de 37% para 37,3% em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) soma de todas as riquezas do país.
Houve melhora no déficit em conta corrente, um dos principais indicadores das contas externas, que passou de US$ 77,79 bilhões para US$ 77 bilhões, com o saldo da balança comercial em US$ 5 bilhões e os investimentos estrangeiros diretos estimados em US$ 60 bilhões.
2014O Índice de Preços ao Consumidor-Semanal (IPC-S), que mede a inflação no varejo, fechou 2014 em 6,87%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).
A maior influência de alta sobre o IPC-S no ano veio de refeições em bares e restaurantes, com alta de 8,84%. As tarifas de eletricidade residencial e o aluguel residencial também pesaram, com altas, respectivamente, de 14,74% e 7,74%. (Fontes: Agência Brasil e G1)

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: