Dia C

Sobre o DIA C GOIÁS

Aplicativo GCOOP

Aplicativo Gcoop

Prêmio de Jornalismo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Vídeos sobre Ética

Vídeos sobre ética

Novo prédio OCB/GO

Novo prédio OCB-GO

Cooperativa amiga da Criança

Conheça a campanha

OCB/GO 60 Anos

60 anos de História

Código de conduta ética

Conheça o Código de conduta ética

Portal de Negócios

Conheça o Portal de Negócios

Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

1° Prêmio de Jornalismo Goiás Cooperativo

Cooperativismo Ilustrado

Confira todos Infocoops

Notícias

Sistema OCB/SESCOOP-GO realiza 1º Seminário Alimentação Animal Segura é Legal

13/11/2018
dsc-0103-2-131919100.JPG


As boas práticas de fabricação na área de alimentação animal foram debatidas nesta segunda-feira (12) durante o 1º Seminário Alimentação Animal Segura é Legal, realizado no auditório do Edifício Goiás Cooperativo. O evento é uma realização do Sistema OCB/SESCOOP-GO com apoio da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Goiás (SFA-GO), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-GO).

Durante a abertura do seminário, o presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO destacou os números que dão a dimensão da força do cooperativismo em Goiás. São mais de 200 cooperativas atuando em todo o Estado, que reúnem quase 200 mil cooperados e geram mais de 11 mil empregos diretos. Joaquim Guilherme também lembrou que, no ramo agropecuário, há exemplos de cooperativas goianas com grandes e modernas fábricas de ração, produzindo o que de mais novo na área de alimentação animal. “Acreditamos que o sistema cooperativista será uma das soluções para a construção de um futuro melhor e mais justo para a humanidade, gerando riquezas e distribuindo os lucros de cada atividade, na proporção da participação de cada um. É com esse espírito de compartilhamento que estamos aqui. Por entender que é importante uma alimentação segura e legal é que abrimos as portas para somar com vocês. Sempre partindo do pressuposto de que é muito importante buscar informações e certificações para que tenhamos parâmetros para fazer o que é certo, esperamos que esse seminário seja importante para a nossa atividade e para o nosso consumidor final”, afirmou Joaquim Guilherme. 

O superintendente federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Goiás, José Eduardo de França, participou da abertura e frisou o trabalho de longa data da superintendência, juntamente com a parceria do Conselho Regional de Medicina Veterinária, para a melhoria da qualidade da alimentação animal. Durante o evento, ele fez uma sugestão, à equipe de auditores, para que seja iniciada a implementação do uso da metodologia HACCP na área de alimentação animal. HACCP significa Análise de Perigos e Controle de Pontos Críticos, cuja finalidade é garantir a segurança dos alimentos produzidos.  

O presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária em Goiás, Olízio Claudino da Silva, parabenizou a iniciativa do Sistema OCB/SESCOOP-GO junto com a superintendência, de capacitar esses profissionais médicos veterinários e zootecnistas, que têm sua importância na orientação das empresas onde são responsáveis técnicos, não só para fiscalizar o produto que é produzido, mas também pelos insumos que são utilizados e passam naturalmente por eles. “Temos que levar em consideração o princípio de que todos os produtos têm que ter sua qualidade, pensando não só no consumidor, que é o animal, mas também no proprietário, que precisa da certeza e da convicção de que está oferecendo produtos de qualidade para os seus animais”, frisa. 

Palestras

A primeira palestra do dia foi realizada pela auditora Fiscal Federal Agropecuária, da Superintendência Federal de Agricultura em Goiás, Márcia Virgínia Santos Bernardes. É a segunda vez que a Superintendência Federal de Agricultura em Goiás (SFA-GO) vem à Casa do Cooperativismo para falar de alimentação animal segura. Segundo a auditora houve uma modificação do projeto inicial, para alcançar resultados na redução das não conformidades de fabricação, encontradas durante a fiscalização. Dessa vez, além da capacitação, empenhou-se para haver também a conscientização dos responsáveis técnicos e dos produtores rurais para o assunto. “Sem dúvida, quando esse profissional é capacitado, seu campo de visão é ampliado e ele consegue sensibilizar e ter argumentos para convencer sua equipe para as boas práticas. Entretanto, se além disso, ele conta com o apoio do representante legal e está conscientizado da importância da implementação daquelas questões que ele está propondo, isso fará toda a diferença”, explica Márcia Virgínia, que também destaca a importância de o produtor rural entender o porquê ele deve adquirir produtos somente de estabelecimentos registrados no órgão de fiscalização. Segundo a auditora, a partir dessas ações, é possível coibir mais o aparecimento de estabelecimentos clandestinos, irregulares, que ofertam produtos no mercado, capazes de lesar o produtor rural economicamente, pode contaminar seus produtos, carne e leite, por meio de rações que podem conter resíduos e trazer para esses produtos e consequentemente trazer prejuízo e penalidades para o produtor rural. Pela manhã, o seminário teve ainda outras duas apresentações.

A professora Alessandra Gimenez Mascarenhas, que é doutora em Zootecnia, falou sobre “Introdução às boas práticas de fabricação”. Ela começou sua palestra com um alerta para o crescimento da população mundial, que deve passar dos 11 bilhões em 2100. Segundo Alessandra, para alimentar todo esse contingente, numa área cultivada que deve permanecer estável, será preciso lançar mão de muita tecnologia, o que aumenta a possibilidade de ocorrência de contaminação de resíduos na produção de alimentos. Por isso, há necessidade de atenção cada vez maior para a qualidade e segurança dos alimentos. "Risco zero não existe. Mas os perigos podem e devem ser minimizados pelos produtores da cadeia de alimentos. Para isso, precisamos estar atentos aos processos de produção e monitoramento", enfatiza.

A zootecnista Thassia Santana Reis, supervisora de Qualidade e responsável técnica na empresa Agroquima, finalizou a programação da manhã, com a palestra “Qualificação e Seleção de Fornecedores”.

No período da tarde, foram realizadas mais palestras. O Auditor Fiscal Federal Agropecuário na SFA/GO do Ministério da Agricultura, Pec. e Abastecimento (MAPA), Rogério dos Santos Lopes falou sobre as principais não conformidades encontradas durante a fiscalização. Em seguida, foi a vez de o público presente conhecer cases de sucesso com Verônica Auxiliadora Alves, da Campo Rações Ltda. e Michelini Fachin, da Cargill Nutrição Animal de Chapecó. 

Compartilhar

Comentar

Deixe abaixo seu comentário:      

Email

Compartilhe este artigo por email: